Nossa Comunidade

Pesquisar em nosso portal

Carregando...

Nossas notícias

Sociedade Sul Riograndense comemora seus 155 anos.

A Sociedade Sul Riograndense comemorou no último dia 4 de novembro seus 155 anos de existência. 
Fundada em 08/11/1857, pelo Professor e filólogo Antônio Alvares Pereira Coruja, 1º Gramático do Brasil, nascido em Porto Alegre no dia 30/08/1806, junto com outros 24 gaúchos a então SOCIEDADE RIOGRANDENSE BENEFICENTE E HUMANITÁRIA, visava reunir os gaúchos "de posse" residentes na Capital do Império para ajudar os gaúchos "necessitados" no Rio de Janeiro, inclusive proporcionar os seus retornos à terra natal, e visava, ainda, nesse convívio de ricos e pobres gaúchos a exaltação do amor ao Rio Grande, pela sua gente, pela sua história e pela sua Tradição. 
hoje, a Sociedade realiza beneficência a todos os gaúchos necessitados, porém dentro de dotação orçamentária da Sociedade, além de diversas atividades culturais, de lazer e sportivas.
A Sociedade Sul Riograndense realiza mensalmente para todos os amigos e associados sua tradicional "Costelada" (churrasco de costelas inteiras assadas em uma vala), em cada evento é assados em média 1.500 Kg. por aproximadamente 5 horas, mediante venda de convites que podem ser obtidos na sede do Clube, situado à Av. João XXIII nº 5000 Santa Cruz - Rio de Janeiro - CEP: 23560-230 pelos seguintes valores: Sócios R$ 20,00 (Bebidas Não Inclusas) e Não-Sócios R$ 25,00 (Bebidas Não Inclusas). Crianças não pagam até os 9 anos de idade. 
O evento conta com a seguinte programação:
11:00h – Missa.
12:00h – Apresentação da Invernada Artística Norma Serpa - CTG Desgarrados do Pago (A Invernada se apresenta esse horário em função da apresentação na Expotchê Rio)
13:00h às 15:00h – Almoço (Costela Assada na Vala)
Maiores informações poderão seer obtidas através do telefones (21) 2418-4265, (21) 3975-0686, (21) 2463-7693 e/ou (21) 7852-9628.  
RELAÇÃO DOS FUNDADORES
1 - ANTÔNIO ALVARES PEREIRA CORUJA
2 - JOÃO VALVERDE DE MIRANDA
3 - JOSÉ THOMAS CANTUARIA
4 - JÚLIO DE FREITAS LIMA
5 - ANTÔNIO CÂNDIDO DUTRA
6 - ERNESTO MANUEL AMARANTI
7 - JOÃO ANTÔNIO NUNES JÚNIOR
8 - ANTÔNIO DOS SANTOS LONTRA
9 - FRANCISCO JOSÉ ALVES LEITE FILHO
10 - ANTÔNIO FERNANDES BRAGA
11 - FRANCISCO MIRANDA RIBEIRO SOBRINHO
12 - MANUEL TEODOSIO GONÇALVES
13 - AVELINO COELHO DA COSTA
14 - FRANCISCO PEREIRA GOMES
15 - ANTÔNIO RIBEIRO DA SILVA FILHO
16 - FELISBERTO JOSÉ GARCIA
17 - RAFAEL GONÇALVES DE BRITO
18 - HERMENEGILDO ANTÔNIO NUNES
19 - BERNARDINO DE FREITAS LIMA
20 - JOÃO CORRÊA DE OLIVEIRA JÚNIOR
21 - FAUSTINO VIEIRA JÚNIOR
22 - JOÃO DE CÂMARA BARCELOS
23 - JOÃO BAPTISTA DE OLIVEIRA CARVALHO
24 - DOMINGOS FERREIRA MENDES
25 - JOÃO DA SILVA PARANHOS FILHO

Na oportunidade da aprovação do 1º Estatuto da Sociedade, em 02/02/1858, foram agraciados com títulos honoríficos:

Dom Feliciano José Rodrigues Prates (1º Bispo do Rio Grande do Sul), o Marques de Caxias (Presidente do Conselho de Ministros e senador pelo Rio Grande do Sul), o Barão de Mauá, o Barão de Quararim (Pedro Fernandes Braga, senador pelo Rio Grande do Sul), os conselheiros de estado e senadores do Império, José Martins da Cruz Jobim e José de Araújo Ribeiro e o Ministro da Fazenda, Cândido Batista de Oliveira.
E tamanho foi o desenvolvimento da Sociedade na área da beneficência, do humanismo e da cultura, que teve os seus atos reconhecidos através do Decreto 2933, de 11/06/1862, assinado pelo Conselheiro de Estado, Presidente do Conselho de Ministros e Secretário de Estado dos Negócios do Império, o Exmo. Marques de Olinda e chancelado por Sua Majestade o Imperador Dom Pedro II, lhe concedendo a "Autorização de Atuação Beneficente e Humanitária".

COMENDAS E TÍTULOS

A Sociedade Sul Riograndense possui as seguintes comendas:
MEDALHA "PEDRO ERNESTO" - Outorgada pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro.
MEDALHA COMEMORATIVA "IV CENTENÁRIO DE SANTA CRUZ" - Outorgada pela XIX Região administrativa e Associação dos Filhos e Amigos de Santa Cruz.
MEDALHA "PIRACEMA" - Outorgada pelo Ecomuseu, por ocasião do II encontro internacional de Ecomuseus - IX ICOFOM LAM.
TROFEU "PIONEIROS" - Outorgado pelo "35 CTG" Porto Alegre.
TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL

TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA ESTADUAL


O FUNDADOR

O Comendador ANTONIO ALVARES PEREIRA CORUJA, nasceu em Porto Alegre no dia 30 de agosto de 1806 e faleceu no Rio de Janeiro a 04 de agosto de 1889, foi um dos grandes estudiosos iniciais dos usos e costume do povo gaúcho e de seu linguajar, de vez que era também professor de português.
Formado em Letras, mestre em Latim, Filosofia, tornou-se o primeiro Gramático do Brasil.
Seu interessante vocabulário - "Coleção de Vocábulos e Frases" foi publicado inicialmente na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, em 1852.
Revolucionário Farroupilha, foi preso em 1836 e enviado para o Rio de Janeiro, de onde não mais se afastou., Exerceu, depois de 1845, novamente o professorado na Capital do País, cercado sempre pelos gaúchos que visitavam a cidade.
É de sua autoria, entre outras obras:
COMPÊNDIO DA ORTHOGRAFIA DA LINGUA NACIONAL
publicada em 1848, e que serviu de base gramatical nas escolas publicas do Império.
Em 1838, na Corte, publicou o Manual do Estudante de Latim - "Lições de História do Brasil, 1855, com sete edições posteriores".
Em 1835 publicara em Porto Alegre, o Compêndio de Gramática da Língua Nacional.
Em 1852, Manual de Ortografia da Língua Nacional; em 1850, Aritmética para Meninos; Alguns livros didáticos e uma série de estudos na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.
Recebeu do Imperador Dom Pedro II a comenda da Ordem "DAS ROSAS".
Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.
Professor dedicado ao ensino da juventude por mais de 30 anos, primeiro em Porto Alegre e depois de banido, no Rio de Janeiro.
A Prefeitura de Porto Alegre o homenageou, dando nome a uma rua da Capital: Rua Comendador Coruja.

MUDANÇAS ESTRUTURAIS

Na sua evolução política, econômica, social e beneficente a Sociedade passou por importantes modificações na sua estrutura.
1 - A reforma estatutária de 12/02/1910 muda o nome para Sociedade Rio-Grandense e incorpora as atividades recreativas, culturais e educacionais.
2 - A reforma de 10/09/1926 muda o nome para Sociedade Sul Rio-Grandense e inclui entre as suas atividades o cultivo dos hábitos e costumes do Rio Grande do Sul.
3 - A de 27/10/1941 mantém a beneficência somente para os sócios e seus dependentes, e obriga a comemoração do 20 de setembro.
4 - A de 14/08/1975 a beneficência volta a ser prestada a todos os gaúchos necessitados, porém dentro de dotação orçamentária da Sociedade e são criados os Departamentos de Sede Campestre, Cívico Cultural e Esportivo.

EVOLUÇÃO PATRIMONIAL

Também a sua evolução patrimonial passou de salas alugadas para um Edifício-sede denominado de "Casa do Rio Grande" , no Rio de Janeiro, na Av. Rio Branco, 183 inaugurado em 25/11/1907, na presidência do Cel. Alfredo Augusto de Almeida.
A benção do edifício foi dada pelo Revmo.Dom João Francisco Braga, Bispo de Petrópolis, e a reunião de incorporação foi presidida pelo Senador José Gomes Pinheiro Machado.
Em 20/09/1931, no mesmo local, foi inaugurada a nova sede, agora com 10 andares. Naquela ocasião houve uma recepção e baile, com a presença do Exmo. Sr. Dr. Getulio Vargas, Chefe do Governo Provisório, e de todo o seu ministério.
Em 1972, sob a presidência do Dr. Augusto Leivas de Otero foi vendido o edifício da Av. Rio Branco, 183 e comprada uma área em Santa Cruz com 45 ha. onde passa a ser a sede campestre.
V - MONUMENTO AO MARECHAL OSÓRIO

Coube à Sociedade Sul Rio-Grandense a articulação de um movimento para homenagear o ilustre Marechal, Marquês do Herval.
Assim é que em 10/10/1879, pela Ata nº 121 da Diretoria, foi criada uma comissão para angariar fundos, em âmbito nacional, visando erguer uma estátua de Osório, na Capital do Império, para perpetuar entre nós a imagem do digno militar representante do povo gaúcho.
A Comissão foi constituída dos seguintes sócios:
Presidente - Barão de Andaray
Vice-presidente - João Valverde Miranda
1º Secretário - Ricardo D'avila Souza
2º Secretário - Cândido Gaffree
Tesoureiro - Manuel Vicente Lisboa

Angariados os fundos necessários, com a contribuição de órgãos públicos, jornais, empresas comerciais e industriais e de voluntários coletados nas ruas do Rio de Janeiro e Porto Alegre, outra comissão foi criada para, então, construir o monumento:

Presidente - Cândido Gaffree
Secretário - Eduardo Guinle
Tesoureiro - Manuel Vicente Lisboa
Adjuntos - Faustino Vianna, Manoel Joaquim Ferreira Dutra, General Bebiano Sergio da Fontoura Costallat, João Valverde de Miranda, Antônio da Silva Lisboa e Rodolfo Bernardelli.

Treze anos se passaram e em 21/06/1892 os restos mortais do Marechal foram transladados da Igreja da Cruz dos Militares para o mausoléu construído na base do monumento em fase final de erguimento no antigo Largo do Paço, hoje Praça XV de Novembro. Finalmente, em 12/11/1892, o monumento foi inaugurado.

O filho do Marquês do Herval, Dr. Fernando Luiz Osório, em reconhecimento à Sociedade Sul Rio-Grandense presenteou-a com um retrato a óleo do Marechal a cavalo, em Campos do Paraguai, feito pelo pintor Aurélio de Figueiredo (irmão de Pedro Américo) que o intitulou "Na véspera do triunfo" referindo-se as vésperas da batalha de Tuiuty.

O retrato foi inaugurado em 24/05/1914, em sessão cívica, na sede da Sociedade.

O Marechal Manuel Luiz Osório, Marquês do Herval, nascido a 10/05/1808 em Conceição do Arroio, Rio Grande do Sul, faleceu em 04/10/1879, no Rio de Janeiro.

GALERIA DE PERSONALIDADES

Em pesquisa recente, realizada nos livros de registro de matrícula da SSR, foram identificadas algumas personalidades que já foram sócios ou foram agraciados com títulos de benemérito. Dentre essas personalidades destacamos:
NOME MATR NOME MATR
PINHEIRO MACHADO 0009 LINEU PAULA MACHADO 0857
BORGES DE MEDEIROS 0070 HEITOR VILLA-LOBOS 0926
ROCHA FARIA 0071 AMAURY KRUEL 0935
SILVEIRA MARTINS 0088 ARTUR COSTA E SILVA 0938
PAULO DE FRONTIN 0130 OLEGARIO MARIANO 0951
DJALMA ULRICH 0189 GOES MONTEIRO 1029
GETULIO VARGAS 0271 EDSON PASSOS 1030
LINDOLFO COLLOR 0299 JOÃO CARLOS MACHADO 1032
FLORES DA CUNHA 0392 ERICO VERISSIMO 1125
OSWALDO ARANHA 0438 PEDRO CALMON 1325
CYRO ARANHA 0463 EMILIO G. MEDICI 1326
MARIO KROEFF 0491 MARIO QUINTANA 1437
RIVADAVIA C. MEYER 0513 PAULO CESAR CARPEGIANI 1863
JOÃO BATISTA LUZARDO 0276 EUCLIDES FIGUEIREDO 0450
JOÃO GOULART 1160 - LEONEL BRIZOLA 1165
ERNESTO GEISEL 1320

LENÇO FARROUPILHA

Por iniciativa da família do ex-sócio João Carlos Machado, a SOCIEDADE SUL RIOGRANDENSE recebeu, em doação, um exemplar do histórico LENÇO FARROUPILHA, usado pelos heróicos farrapos no final da Revolução Farroupilha. Todos os livros que tratam do levantamento do número de exemplares ainda existentes do Lenço, dão conta da existência de 08 exemplares. Em nenhum momento esse, que agora é do acervo da SSR é citado. Agora são 09 exemplares. Esse fato se torna mais relevante ainda, pelo fato dele ter sido feito em 1844.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Bate papo "Tudo de Bom"