Nossa Comunidade

Pesquisar em nosso portal

Carregando...

Nossas notícias

Operação de guerra para proteger papa Francisco irá além de Guaratiba

Rio de Janeiro prepara operação de guerra para proteger papa Francisco


O esquema de segurança montado para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que será realizada de 23 a 28 de julho, com a presença do papa Francisco, na cidade do Rio de Janeiro, contará com a ocupação, pelas Forças Armadas, das instalações consideradas estratégicas. Entre as quais as usinas nucleares de Angra dos Reis no litoral Sul do Estado, a termelétrica de Santa Cruz, subestações para energia elétrica, a Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), além da estação de tratamento de água do Guandu e da adutora do Lameirão, que abastecem cerca de nove milhões de moradores do Grande Rio.
O objetivo é evitar sabotagens que prejudiquem o evento e levem pânico à população. Vai caber a militares da 9ª Brigada de Infantaria Motorizada do Exército ocupar esses locais. Ao longo dos seis dias da JMJ, serão mobilizados cerca de 8.500 militares na segurança, sete mil do Exército e 1.500 da Marinha. As polícias Civil e Militar fluminenses ainda vão fechar o efetivo que será usado. Em 27 e 28 de julho, quando serão realizadas, respectivamente, a vigília e a missa de encerramento em Guaratiba, na Zona Oeste da capital, com a presença do sumo pontífice, quatro mil militares trabalharão.
Nesses dois dias, será decretada garantia da lei e da ordem (GLO), o que assegura às tropas a responsabilidade constitucional pela segurança pública. A GLO funcionará em Guaratiba e nas instalações planejadas que serão ocupadas pela tropa.
Foi o que revelou o general de divisão José Alberto da Costa Abreu, coordenador do Centro de Defesa de Área e Segurança do Exército. O planejamento inclui patrulhamento e monitoramento por terra, mar, ar e até a Internet. O quartel-general da proteção da JMJ funcionará no prédio do Comando Militar do Leste (CML), no Centro da cidade.
 
Segurança do papa
A escolta próxima do chefe da Igreja Católica será feita por agentes do Núcleo de Segurança de Dignitários da PF.
Por causa da magnitude do evento, cujas previsões giram em torno de 2,5 milhões de participantes, ele receberá tratamento de chefe de Estado considerado de alto risco, normalmente dispensado a governantes de países com histórico de guerras, ataques terroristas e/ou instabilidade política.
Cerca de 750 pessoas da PF participarão do plano de segurança de Francisco e do séquito papal, que deve contar com 15 integrantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Bate papo "Tudo de Bom"